Selecione um idioma

Aprendendo com o passado e escrevendo o futuro com Rivulis

By Romeo Dragan – Gestor de Produto da Rivulis Irrigation

O objetivo principal da rega, é aplicar água às plantas para permitir o seu crescimento, permanece o mesmo; no entanto, os métodos de aplicação dessa água e a sua eficiência e eficácia associadas, tiveram grandes avanços recentemente.

O início – rega de superfície (alagamento)

A inundação de campos perto de bacias hidrográficas tem sido praticada pelo menos nos últimos milénios e teve um grande impacto na capacidade de produção agrícola dos agricultores. Embora tenha servido como um bom ponto de partida no campo da rega, é altamente ineficiente e leva a uma baixa uniformidade da cultura. Na verdade, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) publicou que a rega por alagamento oferece apenas 60% de eficiência na utilização da água. Quando consideramos uma população crescente e recursos hídricos limitados, a rega por alagamento não é uma solução de longo prazo para o futuro da agricultura.

Década de 1870 – Rega por aspersão

A utilização inicial de aspersores foi para aplicações de segurança contra incêndios, que foram seguidas pelo desenvolvimento de aspersores para relvados no final do século XIX. O aspersor começou desde logo a ganhar popularidade, pois possibilitou a pulverização de partículas relativamente pequenas de água num diâmetro específico. Especialmente para a agricultura, é importante notar que o sistema de aspersão era de natureza fixa, e tinha que ser movido para diferentes locais a fim de regar grandes campos. A tecnologia deste método de rega melhorou e é usada hoje como um método para regar e também para fornecer proteção contra geadas. Os aspersores de impacto modernos, como o S5000, oferecem padrões de humedecimento amplos e alta uniformidade.

 

1940 – Rega por pivot central

A próxima etapa para melhorar a aplicação de água em grandes superfícies foi desenvolver um sistema móvel de rega por aspersão. Isso foi realizado pela invenção de pivots centrais que usam um coletor de metal que fornece água ao longo do comprimento do tubo para aspersores suspensos. Embora a rega por pivot seja mais eficiente do que a rega por alagamento, a rega por aspersão ainda tem uma eficiência de uso de água de 75%, de acordo com a FAO.

 

Presente e futuro – rega gota a gota

A rega por gota a gota representa o desenvolvimento mais recente e o método mais avançado de rega e gestão de água na agricultura. Consiste numa rede de tubos que visa distribuir uniformemente a água e os fertilizantes solúveis nas plantas. A nova perspectiva que a gota a gota trouxe é a incomparável eficiência do uso da água de 90% (FAO), aliada à capacidade de distribuir água e fertilizantes com alta uniformidade.
Rivulis torna a rega gota a gota e micro-rega acessível aos produtores em todo o mundo e é responsável por alguns dos avanços mais significativos da tecnologia de rega gota a gota, incluindo:

  • Hydro PCND em 1998 – a primeira linha gota a gota sem drenagem do mundo, que integra uma miniválvula de retenção dentro do gotejador moldado. Isso permite que a linha de gota a gota permaneça cheia de água mesmo após desligar o sistema, permitindo ciclos de rega frequentes e curtos, incluindo rega de pulso.
  • T-Tape Fita de rega com saída em fenda em 1979 – primeira fita gota a gota com um gotejador integrado, com um design único reforçado no qual a fita é dobrada e soldada sobre si mesma, criando por sua vez uma forte costura ao longo de todo o comprimento da fita. Hoje em dia a T-Tape apresenta uma saída em fenda (knife cut ) que protege o gotejador da introdução de partículas de terra. Por não ter um gotejador moldado, a T-Tape é capaz de oferecer uma maior eficiência do sistema e rendimentos uniformes, proporcionando um espaçamento mais próximo dos gotejadores, sem nenhum custo extra.
  • O PC D5000 foi desenvolvido em 2011 e estabeleceu um novo padrão em tecnologia de linha gota a gota quando foi lançado. O excelente desempenho e a resistência ao entupimento são alcançados por uma área de entrada de múltiplas zonas (3 zonas de filtro de entrada), labirinto de fluxo extra largo, diafragma de tamanho normal e uma piscina de saída de tamanho normal empilhados uns sobre os outros.

 

Conclusão

A civilização humana sempre dependeu da água. Por mais de 54 anos, empresas inovadoras como a Rivulis continuam a desenvolver novas tecnologias de economia de água e, dessa forma, possibilitando o uso sustentável da água para uma população crescente.

Por favor, visite nosso site
usando outro navegador